Sejam bem vindos pois as portas estão abertas...

Tudo começou com meia dúzia de rabiscos e uma vontade estranha de congelar o que sinto, daí em diante passei a guardar estes sentimentos congelados em tudo quanto foi canto...

Sintam-se a vontade pois a casa nos pertence.





quinta-feira, 6 de outubro de 2011


O Inferno


O inferno nada mais é do que a pura solidão

Caminhar por estradas confusas

Vislumbrar sorrisos obtusos

Sonhar com terras ermas

E acordar nos seios da escuridão

O inferno nada mais é do que a pura solidão


A solidão dos moribundos

A solidão dos eternos amantes

A solidão das mentes brilhantes


O inferno nada mais é do que a pura solidão

De acordar num leito vazio privado da tua

doce mas infernal presença

Que aquece mentes brilhantes

E nos torna eternos amantes

O inferno nada mais é do que a pura solidão


A solidão dos moribundos

A solidão dos eternos amantes

A solidão das mentes brilhantes


O inferno nada mais é do que a pura solidão

Então sou visto como um moribundo

Abandonado neste inferno

Sentado na escuridão

lembro dos teus olhos

dos teus seios

do teu corpo

da tua infernal presença

E descubro que

O inferno nada mais é do que a pura solidão


A solidão dos moribundos

A solidão dos eternos amantes

A solidão das mentes brilhantes

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Da Série de confissões...

Cacete, faz tempo que não confesso...deixa eu tirar o pigarro:
.
Rammmm, rammmm, coff, coff, coff...ramm...coff...

Estava eu novamente pensando com os meus botões quando me peguei perdido em meio às enxurradas de noticias relacionadas ao fatídico 11 de setembro de 2001, longe de mim querer ser arrogante ou ir contra a maré, lógico que foi um ato terrorista e temos sim que lamentar pelas vítimas dos ataques...

Contudo, o que me surpreende mesmo é o fato da investida Norte Americana ter vitimado cerca de 900 mil pessoas na dita guerra contra o terror, 300, 300 vezes mais que o atentado contra as torres gêmeas... Ah, aproveito o ensejo para comentar o ocorrido em Abu Ghraib, sei lá, tenho a sensação de que o mundo já esqueceu, e os presos de Guantánamo, bem, estes últimos não usufruem dos ditos direitos humanos...

É estranho a meus olhos e botões que sempre pensam comigo como o mundo chora o 11 de setembro, mas não chora o massacre de Fallujah, não chora o 06 de agosto onde o Little Boy arrasou Hiroshima vitimando cerca de 140 mil pessoas, não chora o 9 de agosto onde o Fat Man devastou Nagasaki vitimando 80 mil pessoas, vamos levar em consideração que estes números representam as vítimas que morreram no momento da explosão das bombas, ou seja, o número de mortos é muito superior a este, afinal não foram contabilizadas as pessoas que perderam a vida com a evolução de doenças decorrentes da radiação.

É lamentável que após 60 anos nenhum responsável por este ato absurdo foi julgado, nenhum. E veja a ousadia: “Fat Man” e “Little Boy”, as bombas tinham nomes!

Eu confesso que isto a meus olhos e botões é muito, mas muito estranho, chego a pensar que os filhos, as mães e os pais norte americanos sofrem mais que os demais do mundo.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010



Da série de confissões...

Confesso que não sou um sujeito dado a frescuras,
mas a urgência de certas coisas me deixa um
pouco inquieto.
Talvez se ouvisse menos esta voz que reverbera dentro
de mim,eu seria um pouco mais tranqüilo, contudo,
seria muito menos de mim.
Queria e quero uma palavra, uma apenas, sem enfeites
e exageros, uma coisa simples e ainda assim complicada,
assim como eu, assim como todos nós.

Eu queria mesmo sei lá o que!

Mas a grande verdade é que é bem isto que todos nós queremos.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

A tortura:

Te querer

Na cor, no calor da palavra


Ela flui

Percorre o corpo

em rios de chamas


Que arde na alma

rompe com violência

A boca e queima ;


Ou arde por entre os dedos

em formas arredondadas

se entrega


Acesa,

escorrendo por entre os lábios

Ou em chamas num papel;


Palavra; jure, juiz e carrasco

Possui no sentir, inflama,

aquiesce em sua cor, em seu calor


Ela

Sem o querer, tortura

E por vezes, são apenas palavras


Guilherme Gonçalves


Petrópolis 22/06/2010

terça-feira, 22 de junho de 2010

E hoje a tarde me peguei a pensar:


Os dias me ensinariam a viver só novamente, mas prefiro viver empreguinado de você...


Que as nossas diferenças jamais sejam um obstáculo, que sejam motivo para nos unirmos e crescermos juntos...O teu amor aceita-me por completo, o meu amor, aceita-te por inteiro.


segunda-feira, 31 de maio de 2010


Hiperbória


A perfeição das tuas palavras imperfeitas
penetram com profundidade em todo ser
denunciando a essência da tua alma

Teu silêncio gritou,
gritou com toda a força do mundo
alterando a ordem dos céus

Deu-se início a uma reação em cadeia
Os do céu desceram a terra
Os da terra subiram aos céus

E na sua jangada de sonhos
o poeta foi sacudido
Aquele mar de indiferença
Tornou-se revolto

A perfeição das tuas palavras imperfeitas
o revoltou
E aquele mar de indiferença
o poeta devorou.


Guilherme Gonçalves

Petrópolis 31/05/2010

sexta-feira, 28 de maio de 2010




-Que pensa a respeito da existência de Deus?


-Eu? Ahhhh, gosto mesmo é dum terreiro, aquela coisa de preto velho e tudo mais...

Deus é presente dentro de cada um de nós...
tem uma miudeza de deus e diabo em cada canto meu,
e tem dia que dou mais ouvido a um do
que pro outro e outros que escuto mais o outro do que o um.
Compadre meu canta no meu ouvido, assobia assim bem
baixinho, dou ouvido se quiser, metade deus metade diabo.
Dá gosto é ver preto velho, preta velha e tudo mais, gente do tempo de cativeiro, espírito, sei lá, mas mire e veja, eles vão, abraçam o melequento e enche o coração dele de esperança garantindo que no fim vai dar tudo certo...certim, certim...não tem um bocado de deus nisto!?
Esta coisa de espírito é complicada, quando era moleque e aprontava meu avô vinha xingando e me chamando de espírito de porco, não entendia bem por conta de que, mas lembrava da imundice que aquele bicho vivia, acertava o passo e continuava no andaço.
Tem gente que procura igreja reza alto e alevanta as mãos e ainda assim não escuta, não escuta nada, nadinha de nada, aquela coisa de estar seco por dentro, sei lá...
Sento na soleira da porta de quando em vez só para cascar meu fumo de rolo e pensar na vida. Vez destas estava eu lá, quando mirei uma borboleta e enxerguei Deus naquela miudeza. Agradeci um bocado a ele e depois voltei a cascar meu fumo de rolo...
Quanto ao diabo, nem me animo em falar o que se passa na minha cachola...sei lá, me da ânsias e enjôos, natureza nossa é boa mas é ruim também.
Compadre meu fala que quando dá certo é de Deus e quando não dá e do Diabo.
Viver com Diabo e Deus dentro de nós é perigoso, tem que escolher quem vai escutar...

Existe e existe sim, acredito eu e compadre meu.



Guilherme Gonçalves



Petrópolis 28/05/20010